Adubos e Fertilizantes

Crise de fertilizante afeta produção agrícola na Europa; preços disparam

Enquanto os agricultores da Europa se preparam para aplicar fertilizantes nos campos após o inverno, os preços altíssimos dos nutrientes estão dando pouca alternativa a não ser usar menos e tentar repassar o custo para a cadeia consumidora


Publicado em: 24/01/2022 às 11:20hs

Crise de fertilizante afeta produção agrícola na Europa; preços disparam

Para os produtores de alimentos básicos, como milho e trigo, é a primeira vez que eles são realmente expostos a uma crise de fertilizante decorrente de condições adversas de energia, de restrições às exportações e de sanções comerciais.

Agora, comprar os produtos químicos necessários para as safras de inverno custa muito mais caro. A despesa extra pode afetar a safra menor da primavera que representam cerca de um terço dos grãos europeus.

A Europa foi a mais atingida pelos cortes nas fábricas de fertilizantes devido aos custos crescentes do gás usado para produzi-las -- e os preços dos nutrientes permanecem em um recorde, mesmo que a pressão tenha aliviado na América do Norte.

O continente Europeu pode enfrentar um déficit de cerca de 9% em sua demanda anual de fertilizantes nitrogenados no primeiro semestre, estima a VTB Capital. A comida pode ficar ainda mais cara se as colheitas sofrerem ou seus preços aumentarem.

Muitos agricultores que ainda não garantiram os produtos químicos estão esperando até o último minuto, caso os preços caiam, ou podem espalhá-los mais lentamente.

Na Hungria, o uso de fertilizantes nitrogenados cairá cerca de 30% a 40% nesta temporada, prejudicando o rendimento das colheitas, disse Gyorgy Rasko, economista agrícola que tem fazendas no país.

"Se houver uma seca por volta do final de abril e maio, o efeito pode ser ainda mais devastador, já que o nitrogênio ajuda as plantas a sobreviverem em dias secos", disse.

Os nutrientes de nitrogênio são cruciais para o crescimento da safra de primavera na Europa e são usados novamente a partir de fevereiro. Eles também são o tipo mais afetado pela crise energética da Europa porque são produzidos com gás. Uma escassez dessa dimensão no primeiro semestre pode atingir 7 milhões de toneladas, disse a VTB.

Embora a crise do gás tenha diminuído ultimamente -- e algumas empresas como Yara International retomaram a capacidade de fertilizante -- o problema ainda é capaz de prolongar as incertezas de fornecimento.

"Junto com a falta de fertilizantes importados, o impacto será sentido ainda mais forte", disse a fabricante de fertilizantes romena Azomures, que está entre as que reduziram a produção. "As colheitas sofrerão em termos de qualidade e quantidade final."

O mercado de fertilizantes também enfrenta ameaças mais amplas, desde restrições à exportação por Rússia e China até as sanções sobre as importações de potassa bielorrussa estão afetando rotas comerciais.

Agricultores das gigantes agrícolas França e Alemanha provavelmente reservaram cerca de 70% de suas necessidades de fertilizantes nitrogenados para a estação de cultivo até o final do ano, época em que as compras normalmente estão sendo concluídas, disse o consultor Agritel. A cobertura em países do Mar Negro, como Ucrânia e Romênia, pode ser ainda menor.

Fonte: Bloomberg

◄ Leia outras notícias