Pragas e Doenças

FMC e 3tentos iniciam projeto piloto de inteligência para prever pragas

Arc™ farm intelligence foi testado nos campos de soja e milho e tecnologia será aplicada no Rio Grande do Sul


Publicado em: 14/05/2021 às 16:00hs

FMC e 3tentos iniciam projeto piloto de inteligência para prever pragas

A FMC, empresa de ciências para agricultura focada em inovação e tecnologia, e a 3tentos, companhia que atua em varejo de insumos agrícolas, originação e trading de grãos e industrialização de soja, selaram parceria para o desenvolvimento de um projeto piloto, de iniciativa da ArcTM farm intelligence, que permitirá aos produtores e consultores do campo se prepararem com antecedência, e com mais precisão, para as futuras pressões das pragas. A ArcTM farm intelligence é uma plataforma de inteligência preditiva. Dessa forma, o produtor poderá antever os problemas e criar estratégias de manejo e controle, com apoio da FMC e 3tentos, para uma melhor proteção de culturas, maior sustentabilidade e melhor gerenciamento e planejamento das fazendas, buscando auxiliar o agricultor na proteção do seu investimento e consequente aumento da rentabilidade em sua propriedade. 

Os trabalhos desenvolvidos, na safra 20/21, vêm auxiliando os produtores, consultores e técnicos de campo, no entendimento do comportamento e manejo de Spodoptera frugiperda, para que auxilie no planejamento e gerenciamento da lavoura, traga maior efetividade no monitoramento e controle das pragas, sendo mais sustentável e rentável para o produtor.

"Temos produtividades recordes no Brasil, onde a planta da soja necessita ser protegida de qualquer dano. Nunca foi tão importante prever pressão de pragas quanto é hoje. Por isso a FMC, uma empresa focada em ciência e inovação, busca estar cada dia mais próxima ao produtor, oferecendo tecnologias como Arc™ farm intelligence. Elas auxiliam os agricultores a tomarem as melhores decisões em seus cultivos e, dessa forma, podemos contar com a 3tentos, nosso parceiro que também faz parte do nosso programa Juntos", afirma Pedro Ferzola, Gerente de Marketing Regional da FMC. 

A agricultura de precisão e a inteligência de dados gerada por ela têm cada vez mais espaço no campo. Todos os dias é preciso tomar decisões para a proteção de cultivos contra insetos, doenças e ervas daninhas destrutivas, e a Arc™ farm intelligence, com sua inteligência agrícola, oferece modelagem preditiva e análises, que serão de grande valor para a equipe técnica da FMC e 3tentos. "Com Arc™ farm intelligence, poderemos oferecer aos produtores de soja e milho, da Região Sul do país, de forma quase que instantânea e fácil, conselhos e recomendações sobre quais são as melhores soluções para o manejo da lavoura. Além disso, através deste projeto piloto com a 3tentos, conseguiremos ser mais ágeis diante de possíveis problemas, de forma que aumentaremos a sustentabilidade das culturas, agregando valor e promovendo ainda mais oportunidades de negócios", conta Pedro.

Fernando Bavaresco, Gerente de Agricultura Digital e Serviços da 3tentos, destaca a importância da parceria. “A 3tentos está sempre atenta às tecnologias que venham a otimizar a entrega técnica para o produtor, sobretudo onde o diagnóstico precoce é fundamental para atingirmos altos níveis de controle e otimização no uso de defensivos. Neste sentido a simplificação e antecipação da tomada de decisão no campo, baseadas em tecnologias preditivas, são um importante passo para seguirmos angariando maiores índices de controle e produtividade, entregando ao produtor um serviço de assistência técnica cada vez mais inovador”.

O projeto foi realizado em uma área de 60 mil ha de soja e milho, nas cidades gaúchas de Ijuí e Santa Bárbara, com todo apoio, supervisão e suporte da 3tentos. A plataforma está em fase piloto no Brasil, e a 3tentos foi escolhida como parceira para testes e calibração do sistema de predição de S. frugiperda por seu constante esforço em pesquisa e desenvolvimento, continuamente em busca de soluções inovadoras. “Tivemos uma resposta bastante positiva, com a equipe de consultores avaliando os dados das coletas e direcionando as visitas e os respectivos manejos de modo mais assertivo”, reitera Fernando.